R. Borges Lagoa, 913 - 102 - São Paulo-SP 11 3388-9933

Campanha de vacinação contra a gripe

Gostou? compartilhe!

Campanha de vacinação contra a gripe

Saiba mais sobre Campanha de vacinação contra a gripe

Esta semana se inicia a campanha de vacinação contra a gripe nos postos de saúde.


Listamos algumas informações úteis para você compreender um pouco mais sobre a gripe e a importância da vacinação:


1- A vacina é feita com vírus morto e não provoca a doença. Portanto, a contraindicação é apenas para pessoas com alergia a ovo.

2- População alvo: crianças de seis meses a cinco anos;
pessoas com 60 anos ou mais;
trabalhadores de saúde;
povos indígenas;
gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto);
população privada de liberdade;
funcionários do sistema prisional;
pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais;
e professores.

3- No ano passado, menos da metade da população alvo foi vacinada durante o período da campanha, por isso, é preciso estimular os pacientes a irem neste ano.

4- A vacina brasileira da rede pública de 2018 contém há alguns anos duas cepas de Influenza A- H1N1 e H3N2 e uma de influenza B. A da rede privada contém os mesmos 3 e mais uma cepa de influenza B.

5- H3N2- Foi a mais prevalente e mais virulenta nos EUA neste ano. Apesar de estar contida na vacina usada nos EUA em 2017, foi utilizada a cepa Hong Kong, mas o tipo prevalente circulante foi o Singapura. Eles também tiveram um aumento na incidência da doença no país. O uso da cepa errada de H3N2 pode ter sido uma das causas desse aumento, mas também houve baixa taxa de imunização da população (30%). Outra variável importante é a já conhecida menor taxa de resposta à vacina H3N2, ao redor de 30%, mesmo quando selecionada a cepa correta. Isso pode ocorrer por problemas de tecnologia no desenvolvimento da vacina ou por maior plasticidade gênica do vírus.

6- H3N2 no Brasil contém a cepa Singapura.

RECOMENDAÇÕES: vacinar na campanha, prevenir contágio com higiene das mãos e higiene da tosse, iniciar antiviral na população de risco com até 48 horas do início dos sintomas, identificar sinais de gravidade que indiquem necessidade de internação.



Gostou? compartilhe!